Quinta, 15 de novembro de 2018
(61) 9 8132-2082 | (61) 9 8192-1769 | (61) 9 9581-1957
Livro/Quadrinhos

06/09/2018 ás 09h43 - atualizada em 06/09/2018 ás 10h26

101

Filipe Guedes

Brasília / DF

Ler sobre depressão aumentam a empatia
Em 'Por Lugares Incríveis', Jennifer Niven conta a história de jovens que tentam recuperar a vontade de viver
Ler sobre depressão aumentam a empatia
Imagem da Internet
A cada 40 segundos, uma pessoa no mundo se suicida, o mesmo acontece no Brasil em um intervalo de 45 minutos, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Apenas no país, em média, 11 mil pessoas morrem por tirar a própria vida. Estamos em setembro, mês amarelo, de prevenção ao suicídio. Li que o mal do século não é a depressão, mas a falta de empatia. Ler algo relacionado ao assunto ajuda na compreensão aos problemas do outro.

Sabemos que aqui é um espaço nerd, por vezes os assuntos não são tão sérios, mas precisamos cuidar e falar de saúde mental se quisermos continuar a ler as nossas histórias favoritas. Livros podem ser uma ótima terapia, algumas podem ajudar a enfrentar e entender assuntos psicológicos. Jennifer Niven, fez de suas lembranças e sentimentos mais profundos uma ponte para escrever seu romance: Por Lugares Incríveis.

Os adultos às vezes esquecem como também pode ser difícil ser um adolescente.Pressão escolar, cobrança dos pais e problemas de autoestima. Algumas pessoas se tornam amigas por gostarem de sorvete de morango, ou têm a mesma série de tv favorita, ambas possivelmente leram Harry Potter ou O Senhor dos Anéis. Theodore Finch e Violet markey são jovens e também possuem um desejo igual. Os dois perderam a vontade de viver. 
Ao subirem na torre do relógio da escola, com a intenção de cometer suicídio, por acaso e ao mesmo tempo, Finch e Violet se conhecem e, naquele momento inconscientemente despertam um no outro a vontade de viver. Mas antes de decidir isso, o garoto sofre desde criança com abusos do pai e bullying escolar. A garota se responsabiliza pela morte da irmã em um acidente de carro. Os dois são pessoas comuns.

O suicídio em si não deve ser romantizado, alerto que há gatilhos muito fortes na história. A empatia é comum quando duas pessoas passam pela mesma coisa, o sentimento da perda, de alguém especial, ou até mesmo de próprias raízes. Finch e Violet decidem andar por lugares incríveis e, descobrir que o mundo está cheio de coisas maravilhosas para serem vividas. O final surpreende, mas as lições são grandes. 

Todos têm problemas, uns piores, outros mais leves, porém, todos estão no mesmo barco. Ninguém está sozinho. Estão todos lidando com uma dor. Quando alguém tira a própria vida, acaba por matar um pouco de alguém especial deixado para trás. Por Lugares Incríveis não tem muito mistério em sua leitura, mas algo muito importante. A empatia.

O suicídio é a segunda maior causa de morte de jovens entre 15 e 29 anos, no Brasil. O índice teve um aumento de 10% nos últimos dez anos, na maioria dos casos por causa de algum transtorno mental, impacto social, entre outros fatores.

Se você é uma pessoa, ou conhece alguém que precise de ajuda, entre em contato com o Centro de Valorização da Vida. Você também pode ligar para o número: 188. O atendimento é 24h para qualquer parte do Brasil.

Se você acha que algo está errado, fale. Você não está sozinho. Não é sua culpa. Existe ajuda para você.

FONTE: Azartes

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Filipe Guedes

Filipe Guedes

Blog/coluna Um viajante literário. Um leitor incurável.
Mais lidas
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium